Produtoras querem acabar com a venda de games usados

Produtoras querem acabar com a venda de games usados

Acabar com  jogos usados

Depois de atacar a pirataria no PC através da adoção em massa de plataformas como Steam e Origin, as produtoras agora querem eliminar a venda de jogos usados no filé do mercado, os consoles.

Em uma entrevista publicada anteontem no GamesIndustry International, Denis Dyack, da Silicon Knights, foi direto ao assunto: “Eu diria, e já disse anteriormente, que os jogos usados estão matando o mercado. Se os desenvolvedores não conseguirem receita [dessas vendas], não será uma questão de ‘vamos aumentar o preço ao consumidor e queremos mais [dinheiro]’, nós só queremos sobreviver como indústria. Se os jogos usados continuarem da forma como estão, vão canibalizar e não haverá indústria”.

Ao contrário do Brasil, onde os jogos usados são vendidos principalmente em sites como o Mercado Livre, nos Estados Unidos as grandes redes de eletrônicos as especializadas em games estimulam diretamente seus clientes a vender seus usados para própria loja, na troca por novos títulos, de preferência também usados. Desta forma, o lucro vai todo para o varejista. Os desenvolvedores vêem a venda de usados, nesta escala, como uma ameaça à sua sobrevivência.

Para Dyack – cuja empresa desenvolveu, entre outros títulos, Metal Gear Solid e X-Men: Destiny – as vendas de games agora ficam concentradas nos primeiros três meses após o lançamento. Depois, o mercado de usados toma conta.

Algumas empresas, como a Electronic Arts, já estão agindo para coibir a venda de usados. A EA agora vende seu “Online Pass”, exigindo o pagamento de US$ 10 para acessar a parte online de seus jogos a partir de um novo console. A empresa se justifica: “Para que possamos continuar a ampliar as experiências online que conectam mais de cinco milhões de sessões todos os dias, nós acreditamos que é justo que cobremos pelos serviços que proporcionamos e reservemos estes serviços a quem pagou à EA pelo acesso”. A dúvida é: o primeiro comprador não terá mais acesso ao jogo. Que custo adicional o consumidor de games usados traz à Electronic Arts? Por que o primeiro comprador não pode simplesmente transferir seu direito a outro jogador?

O quanto este mercado realmente prejudica os desenvolvedores é uma questão ainda em aberto. Mesmo com a crise econômica nos Estados Unidos, as vendas de jogos lá caíram apenas 3% em 12 meses, na comparação entre o último trimestre de 2011 e o de 2010. E vários desenvolvedores tiveram aumento nas receitas e nos lucros no mesmo período.

Por outro lado, boatos que circulam no mercado já dão conta que a Microsoft bloqueará o acesso a jogos usados no sucessor do atual Xbox.

Não será essa uma reedição da cruzada dos estúdios de cinema contra a locação e uso de videocassetes e DVDs?

Fonte: CNET

Previous Dica de Livro: Jogador Nº1
Next Vanguard : Saga of Heroes vai virar free-to-play.

You might also like

Watch Dogs e The Crew adiados para abril de 2014

A Ubisoft anunciou que está adiando o lançamento de Watch Dogs para nada mais nada menos que abril de 2014.

Crytek vai desenvolver o novo Homefront

Depois de uma grande reformulação com o fechamento de alguns estúdios, a THQ firmou uma parceria com a Crytek, desenvolvedora de jogos como Crysis e Farcry para uma continuação de

Versão de Driveclub para Playstation Plus ainda não tem data de lançamento

A Evolution Studios, desenvolvedora do jogo, afirmou que ainda não tem uma data definida para o lançamento da versão para a Playstation Plus por conta dos problemas enfrentados recentemente.

  • Dilma cega

    No nosso brasil a maioria dos gamers tem console bloqueado com jogo pirata . Devido ao elevado valor de impostos console e games . Isso não afetará a maioria . 

    E como nosso governo incompetente só pensa em ganhar dinheiro … Não conseguiu e nunca vai conseguir controlar a pirataria . Acho que o que pode acontecer é um dia excluírem o brasil de lançamentos e produtos . Más ai o povo pelo menos vai aprender inglês .