Produtoras querem acabar com a venda de games usados

Produtoras querem acabar com a venda de games usados

Acabar com  jogos usados

Depois de atacar a pirataria no PC através da adoção em massa de plataformas como Steam e Origin, as produtoras agora querem eliminar a venda de jogos usados no filé do mercado, os consoles.

Em uma entrevista publicada anteontem no GamesIndustry International, Denis Dyack, da Silicon Knights, foi direto ao assunto: “Eu diria, e já disse anteriormente, que os jogos usados estão matando o mercado. Se os desenvolvedores não conseguirem receita [dessas vendas], não será uma questão de ‘vamos aumentar o preço ao consumidor e queremos mais [dinheiro]’, nós só queremos sobreviver como indústria. Se os jogos usados continuarem da forma como estão, vão canibalizar e não haverá indústria”.

Ao contrário do Brasil, onde os jogos usados são vendidos principalmente em sites como o Mercado Livre, nos Estados Unidos as grandes redes de eletrônicos as especializadas em games estimulam diretamente seus clientes a vender seus usados para própria loja, na troca por novos títulos, de preferência também usados. Desta forma, o lucro vai todo para o varejista. Os desenvolvedores vêem a venda de usados, nesta escala, como uma ameaça à sua sobrevivência.

Para Dyack – cuja empresa desenvolveu, entre outros títulos, Metal Gear Solid e X-Men: Destiny – as vendas de games agora ficam concentradas nos primeiros três meses após o lançamento. Depois, o mercado de usados toma conta.

Algumas empresas, como a Electronic Arts, já estão agindo para coibir a venda de usados. A EA agora vende seu “Online Pass”, exigindo o pagamento de US$ 10 para acessar a parte online de seus jogos a partir de um novo console. A empresa se justifica: “Para que possamos continuar a ampliar as experiências online que conectam mais de cinco milhões de sessões todos os dias, nós acreditamos que é justo que cobremos pelos serviços que proporcionamos e reservemos estes serviços a quem pagou à EA pelo acesso”. A dúvida é: o primeiro comprador não terá mais acesso ao jogo. Que custo adicional o consumidor de games usados traz à Electronic Arts? Por que o primeiro comprador não pode simplesmente transferir seu direito a outro jogador?

O quanto este mercado realmente prejudica os desenvolvedores é uma questão ainda em aberto. Mesmo com a crise econômica nos Estados Unidos, as vendas de jogos lá caíram apenas 3% em 12 meses, na comparação entre o último trimestre de 2011 e o de 2010. E vários desenvolvedores tiveram aumento nas receitas e nos lucros no mesmo período.

Por outro lado, boatos que circulam no mercado já dão conta que a Microsoft bloqueará o acesso a jogos usados no sucessor do atual Xbox.

Não será essa uma reedição da cruzada dos estúdios de cinema contra a locação e uso de videocassetes e DVDs?

Fonte: CNET

Previous Dica de Livro: Jogador Nº1
Next Vanguard : Saga of Heroes vai virar free-to-play.

You might also like

EA volta atrás e vai dar Battlefield 1943 para os donos de Battlefield 3 PS3

Finalmente a EA solucionou o problema com os jogadores de PS3, antes do lançamento de Battlefield 3 a EA havia dito que as cópias de PS3 viriam com um cupom

Nova atualização de Minecraft, traz correções e novidades na versão 1.1

Minecraft é um jogo difícil de se descrever, independente do modo como você joga seja ele no survival ou no modo criativo sempre parece que precisa de mais alguma coisa.

Skyrim com Kinect

Certamente para Skyrim o Kinect não funcionaria muito bem devido a vários fatores incluindo o tempo de jogo normalmente grande, porém a Bethesda achou algumas utilidades para o periférico que